1º Aniversário do Blogue e Um Passatempo



Boa Tarde,

No próximo sábado, dia 1 de Julho, este meu querido e adorado blogue faz 1 ano de vida ❤

E como tal, peço a todos vocês que espreitem a página do blogue no facebook e concorram ao passatempo que estou a fazer em parceria com a Mónica Venda e os seus maravilhosos queijos VeganChee, com a Ana Villarrica da Villarrica Gourmet Store e com a Marca Tupperware.

Leiam com atenção todos os items do passatempo e caso haja dúvidas estou aqui para ajudar ❤

Grata a todos mais uma vez por estarem desse lado!

Podem concorrer aqui:

https://www.facebook.com/saboralmacor/posts/1363272750387100




Pão de quinoa e arroz sem glúten


Fazer pães sem glúten era uma das minhas metas culinárias para este ano, claro que tentei várias receitas que não sairam tão bem como esperava, por isso nem publiquei aqui no blog, apesar de termos comido cá em casa, pois sou apologista de que nada se estraga e tudo se transforma.

Este pão ficou muito saboroso, macio e com uma textura muito fôfa, tal como se fosse um pão de trigo normal. O segredo está na massa e nos ingredientes que bem escolhidos, fazem destes pães um bom contributo para a nossa alimentação.



Podem acompanhar com manteigas vegetais variadas, crémes de oleaginosas como os queijos de cajú ou doces e compotas.

E aqui fica a receita testada e aprovada ❤




Ingredientes:

240 g farinha de quinoa ou outra à sua escolha
240 g farinha de arroz
80 g polvilho doce ou farinha de araruta ou amido de milho
150 g de fécula da batata
2 colheres de chá flor de sal
2 colheres de chá goma xantana
2 colheres de chá fermento biológico seco
2 colheres de sopa farinha de linhaça
2 colheres de sopa vinagre de maçã
500 ml bebida vegetal de amêndoa ou outra à sua escolha

Preparação: 

Pré aqueça o forno a 200º. Numa taça de vidro, juntar todos os ingredientes secos como estão na descrição da receita, mexer um pouco com uma vara de arames para misturar o preparado e de seguida adicionar os liquidos. 

Amassar com as mãos muito devagar durante uns segundos, polvilhar com um pouco de óleo de côco uma forma de bolo inglês, verter a massa e espalmar com a ajuda de uma colher. 

Levar ao forno já pré aquecido durante uns 45 minutos. Eu deixei mais 10 minutos para cozer bem pois aprecio um pão bem cozido. Acompanhem com um créme de cajus que podem ver Aqui

Boas Receitas ❤

Bolo Mármore Veganito


Sei que não tenho vindo aqui escrever as últimas receitas que tenho feito e postado no facebook do blog, mas a minha vida tem dado uma enorme reviravolta e por alguns contratempos e factores pessoais, não me tem sido possível vir aqui com a atenção que vocês todos que me seguem merecem.

Mas com empenho, força e convicção que tudo vai melhorar, aqui estou eu com mais uma receitinha, daquelas doces e boas que todos nós gostamos de saborear de vez em quando, que é um bolo mármore veganito. 

O meu filho fez 6 anos na semana passada, dia 9 de Junho (adoro este número ❤) e como tal, não podia deixar passar esta data sem fazer um bolinho para cantarmos os parabéns na escola juntamente com os seus amiguinhos e a educadora. 

Decidi fazer um bolo diferente mas que todas as crianças pudessem gostar, saborear e ficarem felizes por poderem comemorar com o meu filhote e ainda por cima um bolo vegetariano sem ovos, leites e seus derivados, totalmente nutritivo e saudável.



Claro que é sempre difícil agradar a todos, porque as crianças hoje em dia, tal como bem sabemos, estão muito habituadas aos açucares refinados, doces e gomas sem qualquer ingrediente benéfico para a sua saúde.

Quando chego à escola mal entro na sala, vejo logo umas 15 crianças todas contentes por verem o bolo, disseram que estava muito bonito e que devia ser delicioso. 

Cantámos todos os parabéns e quando começo a cortar as fatias para entregar a cada um dos petizes, dou por mim rodeada de criançada a querer repetir duas e três vezes as fatias do bolinho.

São crianças habituadas ao açucar processado, às gomas, aos chocolates, aos danoninhos e manhãzitos e todos os "itos" que existem em todos os hipermercados. 

Como tal, foi para mim, um misto de sensações como gratidão, amor e felicidade quando vejo que gostaram verdadeiramente e um dos melhores amigos do meu filho vem ter comigo e diz: "Mãe do Miguel, foi o melhor bolo que comi em toda a minha vida"...ahahahah...( sendo que tem 6 anos e uma vida inteira pela frente para provar bolos)

O meu filhote ficou muito feliz pelos amigos gostarem do bolo da mãe e acabou por dizer no final: " Mãe sabes uma coisa?! Diz filho: "Eu adoro ser vegetariano". 


E só por este comentário, já valeu a pena todo o esforço para fazer um bolo de aniversário que todos pudessem comer e gostar. 



Ingredientes:

2 chávenas farinha de espelta integral 

300 g farinha de côco 

6 colheres de sopa de cacau em pó 

15 tâmaras medjool demolhadas em água morna durante 30 minutos

180 ml óleo de côco

1 chávena e meia de água à temperatura ambiente

1 chávena e meia de bebida vegetal de côco 

6 gotas essência de baunilha

2 colheres sopa de fermento em pó


Cobertura:

150g castanhas de caju demolhadas em água de véspera

10 morangos biológicos

150 ml bebida vegetal de côco 

xarope de ácer q.b.

morangos e mirtilos para decorar



Preparação:

Comece por pré aquecer o forno a 170º. 

Retirar a água da demolha das tâmaras e secar com um pano fino o excesso de água. 

Levar a farinha de espelta integral com as tâmaras até um processador ou na bimby e triturar esta mistura durante 1 minuto na vel 9. 

Numa taça grande juntar este preparado com a farinha de côco, o óleo de côco, a água morna, o leite de côco e a essência de baunilha. 

Mexer com a vara de arames até ficar uma massa uniforme. 

Antes de colocar o fermento adicione o cacau em pó e mexa com uma colher para ficar com o efeito de mármore. 

E só por último deve juntar o fermento e mexer apenas para misturar todos os ingredientes. 

Colocar a mistura numa forma alta com furo no centro, untada com óleo de côco e levar ao forno a 180º por cerca de 40 minutos aproximadamente. 

Dependendo do forno deverá ficar pronto quando fizerem o teste do palito e sair limpinho.

Para fazer a cobertura, basta colocar num processador os cajus com o leite de côco e triturar muito bem uns minutos até ficar um créme homogéneo. Adicionar os morangos mais o xarope de ácer e processar mais um pouco.

Quando o bolo estiver à temperatura ambiente cobrir com o créme de cajus e decorar com morangos, mirtilos e chocolate derretido por cima.



P.S Podem substituir as tâmaras por açúcar mascavado ou açúcar de tâmaras. E ainda substituir o cacau em pó por farinha de alfarroba. Vai depender do gosto de cada um. O bolo cresceu muito porque fiz numa forma alta com furo no meio. No entanto, já testei com outro tipo de formas e deu bom resultado mas pode é não crescer tanto como foi neste caso. Podem também substituir o leite de côco da cobertura por água e fazer com natas vegetais em vez de castanhas de cajú.

Queijo vegetal de castanha de caju e veganchee de azeitonas


Quando era mais pequena, gostava de comer uma fatia de pão com queijo e marmelada ao lanche. Normalmente, isso acontecia em casa dos meus avós maternos, a minha avó era uma cozinheira de mão cheia, fazia quase tudo em casa e a marmelada caseira era simplesmente deliciosa. 

Contudo, sabemos hoje em dia que todas estas receitas estão cheias de nutrientes nefastos para o nosso organismo e de açucares processados. 

Naquela altura, não se falava muito sobre nutrição e alimentação lá em casa, no entanto, aquela sensação da minha avó ter o cuidado de fazer o pão em casa e a marmelada caseira, fazia-me sentir muito amada, feliz e acarinhada sempre que fazia uma visita.



Penso que todos nós já passámos por isso, ter a plena consciência de que hoje em dia temos mais informação do que nos anos 80 ou 90 e que sabemos muito mais aquilo que devemos comer do que naquela altura. 

Quando comecei a fazer queijos vegetais, queria lembrar-me dos sabores da minha infância, poder sentir-me bem fazendo receitas saborosas, relembrar sentires antigos de uma maneira mais feliz e prazeirosa.

Apesar de não apreciar a maior parte dos queijos que derivam de origem animal, sempre apreciei aqueles queijos creme como os da marca queru ou filadelfia, bem como queijo flamengo ou palhais.



E foi num desses dias de lembranças com a minha mãe, que decidi testar e apostar numa receita de um queijo vegetal cremoso, cujo sabor estivesse todo lá de maneira que não restassem dúvidas que estava perante algo inigualável, delicioso e bastante mais nutritivo do que os queijos normais de compra.

Primeiro, testei com castanha do brasil ou castanha do pará, mas achei que ficou com um sabor um pouco amargo, depois experimentei juntar amêndoas ou amendoins e já ficou com um sabor melhor.

No entanto, a castanha de caju é a melhor para fazer este tipo de receitas. Para mim, é uma das melhores oleaginosas que existem na natureza. É multifacetada, tanto dá para receitas doces como salgadas e confere uma cremosidade fora de série.

Assim sendo, tinha umas castanhas de caju demolhadas e um queijo veganchee da minha querida Mónica Venda e pensei: E se juntasse os dois sabores e fizesse um queijo vegetal cremoso?! 



E dessa maneira saiu esta receita:

1 chávena e meia de castanhas de caju cruas demolhadas em água de véspera ou no mínimo 8 horas
2 chávenas de água morna
1 colher e meia de chá de flor de sal
3 colheres de sopa de fécula de mandioca 
1 colher de sopa de levedura de cerveja
sumo de um limão 
2 colheres de sopa polvilho azedo
1/4 de queijo veganchee de azeitonas



Preparação:

Lavar muito bem as castanhas de caju, colocá-las dentro da bimby ou outro processador com a água morna e juntar o sal, a levedura, o limão e o polvilho azedo. 

Triturar tudo durante um minuto ou até ficar com um creme consistente. Adicionar o preparado num tacho e levar ao lume até começar a ferver. 

Nesta altura, juntar o veganchee e a fécula de mandioca mexendo sem parar até ficar com uma massa cremosa e ferver por completo o que pode demorar uns 2 ou 3 minutos. 

Se começar a ficar muito pastoso adicionem um pouco mais de água morna e sumo de limão.

No final, basta colocar o queijo creme num recipiente e deixar arrefecer. Quando estiver à temperatura ambiente é só levar ao frigorífico que dura mais ou menos uma semana. 

Podem passar o queijo em pão caseiro, tostas integrais, galetes de quinoa ou arroz integral. É tão bom que cá em casa não durou dois dias.

Para encomendarem os VeganChee da Mónica basta clicarem aqui do lado direito da página e efectuarem o pedido por mensagem ou contactarem através do seu número de telefone.